Igreja da Misericórdia


O início da construção da Igreja remonta a 1588, e contou com o trabalho de vários mestres pedreiros - Gonçalo Lopes, Pedro Afonso de Amorim; João Lopes de Amorim, João Ribeiro – carpinteiros – João Moreira – e entalhadores – Manuel Fernandes, António da Cunha Correia do Vale e Manuel Fernandes de Novais. De planta longitudinal, a Igreja da Misericórdia é composta por uma nave única e capela-mor, com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas.
A fachada principal é de cantaria, organizada em modo de retábulo, com 2 registos: o inferior onde se abre o portal, e o superior com nicho ao centro, envidraçado, com escultura de Nossa Senhora da Misericórdia.
No interior, o coro-alto é suportado por arco abatido, existem três retábulos laterais em talha dourada e policromada, intercalados por janelas e púlpitos.
A capela-mor possui quatro janelas laterais, e cadeirais em madeira. Nas paredes laterais existem duas pinturas de grandes dimensões: uma sobre tela representando Nossa Senhora da Misericórdia; e outra sobre madeira representando a Visitação, da autoria de Domingos Lourenço Pardo e datada de 1616.
O grande órgão ibérico, construído lateralmente no coro-alto da Igreja é da autoria de Francisco António Solha, imitado por um simétrico falso, na parede oposta, que se perdeu no incêndio sofrido na Igreja em 1969.